Notícias

04/08 10h37

Melhores surfistas do mundo se preparam para o Outerknown Tahiti Pro, última parada antes do Rip Curl WSL Finals

A décima etapa do WSL Championship Tour começa em 11 de agosto

Foto:  O Outerknown Tahiti Pro começa no dia 11 e vai até 21 de agostoCrédito: © WSL / Dunbar

TEAHUPO´O, Tahiti, Polinésia Francesa (Quarta-feira, 3 de agosto) – Os melhores surfistas do mundo já estão se preparando para o penúltimo evento do World Surf League (WSL) Championship Tour, o Outerknown Tahiti Pro, nos temidos tubos de Teahupo´o. Conhecido no mundo do surfe como “The End of the Road”, em Teahupo´o será definido os 5 homens e as 5 mulheres que vão disputar os títulos mundiais da temporada no Rip Curl WSL Finals, nas ondas de Lower Trestles, na Califórnia. O prazo do Outerknown Tahiti Pro começa no dia 11, vai até 21 de agosto e a competição será realizada nos dias que apresentarem as melhores ondas neste período.

Teahupo´o é uma das ondas mais extremas do Tour. Com tubos pesados quebrando numa rasa bancada de corais, é um teste de comprometimento, bravura e habilidade, até mesmo para os surfistas da elite mundial. O Outerknown Tahiti Pro também poderá mostrar como vai ser as próximas Olimpíadas, já que Teahupo´o será o palco do surfe nos Jogos da França em 2024. 

Foto: Tatiana Weston-Webb (BRA) surfando Teahupo’o em 2019. Crédito: © WSL / Dunbar 

Outerknown Tahiti Pro também vai marcar o retorno de uma competição feminina em Teahupo´o depois de 13 anos. Isso estava programado para acontecer no ano passado, mas o evento acabou sendo cancelado por causa da pandemia do Covid-19. Além disso, no Taiti será completada a primeira temporada do CT com as mulheres competindo com os homens em todas as etapas. O novo formato totalmente integrado, com o CT feminino acontecendo em ondas como Pipeline e Teahupo´o, reforça o compromisso de igualdade da WSL, que em 2019 instituiu a mesma premiação em todos os eventos organizados pela Liga. 

“O retorno das mulheres à Teahupo´o é mais um grande passo para o futuro do surfe feminino”, disse Jessi Miley-Dyer, vice-presidente de Circuitos e Competições da WSL. “Assistir as mulheres surfando ondas pesadas e desafiadoras, vai mostrar à nova geração que é possível elas também competirem nessas condições mais extremas de surfe”.

Foto: John John Florence fez a final com Kelly Slater no Billabong Pro Tahiti de 2016. Crédito: © WSL / Cestari

Outerknown Tahiti Pro definirá os top-5 e as top-5 da WSL

Nos tubos de Teahupo´o serão definidas as últimas vagas nos grupos dos top-5 e das top-5, que irão disputar os títulos mundiais no Rip Curl WSL Finals. No momento, dois homens e duas mulheres já estão garantidos, os líderes dos rankings, Filipe Toledo (BRA) e Carissa Moore (HAV), bem como os vice-líderes, Jack Robinson (AUS) e Johanne Defay (FRA). A batalha final para decidir os últimos três concorrentes da categoria masculina e as três da feminina, será travada no Outerknown Tahiti Pro.

Entre as mulheres, todas as participantes têm chances matemáticas, exceto Sally Fitzgibbons (AUS) e Caroline Marks (EUA). No momento, a brasileira Tatiana Weston-Webb, a australiana Stephanie Gilmore e a costa-ricense Brisa Hennessy, estão completando o grupo das top-5, mas são ameaçadas principalmente pelas experientes Lakey Peterson (EUA) e Tyler Wright (AUS).

Entre os homens, todos que estão abaixo do 13.o colocado, Jordy Smith (AFR), estão fora da briga pelas últimas vagas. Com a vitória no Corona Open J-Bay na África do Sul, Ethan Ewing (AUS) tirou a terceira posição no ranking de Italo Ferreira (BRA). O campeão olímpico é o quarto colocado e Griffin Colapinto (EUA) fecha os top-5. Os que estão mais próximos deles são Kanoa Igarashi (JPN)Callum Robson (AUS) e John John Florence (HAV).

Foto: Kelly Slater na onda que ganhou uma nota 9.40 no Tahiti Pro de 2014. Crédito: © WSL / Kirstin 

Outerknown une forças com a WSL na 10.a etapa do Championship Tour

A WSL está animada com a parceria da Outerknown nesta décima etapa do Championship Tour no Taiti. A Outerknown lançou para os fãs do surfe, uma série com 11 episódios da carreira de Kelly Slater: Lost Tapes, que mostra uma visão mais íntima da vida do maior nome do esporte em todos os tempos, com imagens inéditas . Agora, nesta parceria com o Tahiti Pro, esta incrível narrativa continuará ganhando vida através da transmissão ao vivo, levando para os fãs os momentos emocionantes da competição nos tubos de Teahupo´o.

TOP-10 DO WORLD SURF LEAGUE 2022 – 9 etapas:
1.o: Filipe Toledo (BRA) – 53.360 pontos
2.o: Jack Robinson (AUS) – 48.025
3.o: Ethan Ewing (AUS) – 40.970
4.o: Italo Ferreira (BRA) – 39.130
5.o: Griffin Colapinto (EUA) – 36.800
6.o: Kanoa Igarashi (JPN) – 35.525
7.o: Callum Robson (AUS) – 31.900
8.o: John John Florence (HAV) – 30.685
9.o: Miguel Pupo (BRA) – 30.185
9.o: Connor O´Leary (AUS) – 30.185
——–outros brasileiros:
11: Samuel Pupo (BRA) – 29.910 pontos
12: Caio Ibelli (BRA) – 28.110
22: Jadson André (BRA) – 18.035
23: Yago Dora (BRA) – 17.880
24: Gabriel Medina (BRA) – 15.890

RANKING WORLD SURF LEAGUE 2022 – 9 etapas:
1.a: Carissa Moore (HAV) – 52.925 pontos
2.a: Johanne Defay (FRA) – 47.610
3.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 42.610
4.a: Stephanie Gilmore (AUS) – 41.625
5.a: Brisa Hennessy (CRI) – 40.285
6.a: Lakey Peterson (EUA) – 39.005
7.a: Tyler Wright (AUS) – 36.460
8.a: Gabriela Bryan (HAV) – 35.155
9.a: Isabella Nichols (AUS) – 34.675
10.a: Courtney Conlogue (EUA) – 32.100

Por marcelo
Compartilhar

Veja também

Filipe encara Slater e Nathan Hedge, quase tudo muda com a saída do John John

continue lendo

João Chianca é vice-campeão na final com Ezekiel Lau no Vans US Open of Surfing

Brasileiro entra no G-10 do WSL Challenger Series na Califórnia

continue lendo

John John desiste de participar e fica fora da última etapa classificatória no Tahiti

continue lendo

Medina fora, John John de volta enfrentando Kelly Slater. Confira as baterias do Tahiti Pro

continue lendo

Comentários:

Instagram