Notícias

30/01 20h19

Brasileiros começam bem no mar clássico que abriu o Billabong Pro Pipeline no Havaí

Italo Ferreira e mais seis brasileiros se classificam

Italo Ferreira conquistou a primeira vitória brasileira no WSL Tour 2022 (Crédito: ©WSL / Brent Bielmann)

BANZAI PIPELINE, Oahu, Havaí/EUA (Sábado, 29 de janeiro de 2022) – Billabong Pro Pipeline abriu a temporada 2022 do World Surf League Championship Tour em um cenário perfeito no Havaí, com Sol e um mar clássico com tubos de 8-10 pés para a estreia dos melhores surfistas do mundo. A “seleção brasileira” começou bem, com sete avançando para disputar classificação para as oitavas de final na terceira fase e apenas um sendo eliminado no sábado. Os dois participantes do Peru passaram pela repescagem e também seguem na briga pelo primeiro título do ano. A batalha prossegue neste domingo, as 8h00 no Havaí, 15h00 no Brasil, com transmissão ao vivo pelo WorldSurfLeague.comGloboplay GE.Globo.com.

O campeão olímpico Italo Ferreira conquistou a primeira vitória brasileira do ano, no quinto confronto do sábado em Pipeline. Antes dele, o australiano Connor O´Leary e o havaiano Barron Mamiya tinham surfado tubos incríveis, fazendo as marcas a serem batidas no campeonato. Aí o mar deu uma acalmada, justamente nas baterias de estreia dos principais cabeças de chave do Billabong Pro PipelineItalo e o número 1, Filipe Toledo.

Italo Ferreira com o seu técnico, Shane Dorian (Crédito: ©WSL / Tony Heff)

Italo venceu esta etapa do Havaí em 2019, derrotando Gabriel Medina na final que decidia o título mundial daquele ano. Ele chegou a trocar de prancha e conseguiu achar alguns tubos rápidos para superar o novato australiano Callum Robson e o peruano Miguel Tudela, que ficou em último. Tudela se recuperou bem na repescagem e vai voltar a enfrentar Italo Ferreira na terceira fase. Os dois são patrocinados pela Billabong e o duelo vai valer a quinta vaga para as oitavas de final.

“Eu tenho ótimas memórias aqui de Pipe e é muito bom estar de volta”, disse Italo Ferreira“Foi um pouco difícil de encontrar ondas boas, mas estou feliz por ter passado. Eu estava bem ansioso antes da minha bateria e acabei caindo na primeira onda. Fiquei mais nervoso e também não dormi muito bem a noite passada, por causa de ansiedade. Mas, agora o foco é manter a calma para pegar as melhores ondas na próxima”.

O campeão mundial de 2019 e número 3 no ranking da World Surf League de 2021 dominado pelos brasileiros, com Medina conquistando o tricampeonato e Filipe Toledo sendo vice-campeão mundial, também respondeu sobre ter o havaiano Shane Dorian, ex-competidor da elite do CT, como técnico: “É muito importante ter pessoas como o Shane te ajudando. E nem é sempre sobre o surfe, pois tem o lado psicológico também para te colocar com a mentalidade certa, então estou bem feliz com esse apoio”.

Filipe Toledo estreou na bateria seguinte a do Italo Ferreira, junto com um estreante na “seleção brasileira” da WSL, Samuel Pupo. Foi mais uma disputa fraca de ondas, com poucos tubos bons. O havaiano Ivan Florence, irmão mais velho do bicampeão mundial John John e local de Pipeline, entrou na primeira onda, sofreu uma queda terrível que partiu sua prancha e não surfou mais nada depois. Samuca achou um tubo rápido e liderava a bateria, até Filipe surfar um também e completar a onda com um aéreo full-rotation, que não é muito comum em Pipeline.

“Eu acho que é uma das melhores ondas do mundo pra dar aéreo (risos). Pelo menos, foi isso que o Nathan Fletcher (especialista em aéreos) falou”, respondeu Filipe Toledo, quando perguntado sobre o aéreo que valeu a vitória. “A bateria foi meio lenta de ondas, porque só rolou uma série grande no início. Mas, pra mim foi bom porque não pude surfar esses últimos dias. Tive problemas com meu visto, só consegui no dia 24. Aí foi aquela correria de voltar pra casa (na Califórnia), pegar as pranchas, deixar as crianças e chegar aqui a tempo. Foi bem estressante, mas estou mais aliviado agora, depois de ter avançado”.
O atual vice-campeão mundial, Filipe Toledo (Crédito: ©WSL / Brent Bielmann)
O atual vice-campeão mundial também comentou sobre a nova temporada que está se iniciando e sobre o fato da decisão do título no Rip Curl WSL Finals ser novamente em Trestles, onde ele mora na Califórnia: “Estou me sentindo superbem e o calendário de eventos está incrível. Tem umas etapas novas, o WSL Finals de novo em Trestles, mas não dá pra pensar muito lá na frente. Ainda preciso passar do corte do meio da temporada (ficar entre os 22 primeiros do ranking após a quinta etapa), para depois focar em chegar nos Top 5 que vão pra Trestles. Mas, tudo começou hoje, com a primeira vitória do ano”.

O havaiano Ivan Florence depois passou pela repescagem e vai voltar a competir contra Filipe Toledo, na nona disputa por vagas nas oitavas de final do Billabong Pro Pipeline. Já Samuel Pupo terá um duelo brasileiro com Deivid Silva na 15.a e penúltima bateria da terceira fase. Isso também vai acontecer com outros países, com Kelly Slater enfrentando o também norte-americano Jake Marshall na segunda, na décima tem um confronto havaiano entre Seth Moniz e Ezekiel Lau, na 14.a um australiano do Ethan Ewing com Callum Robson e a terceira fase termina com os dois únicos participantes da África do Sul, Jordy Smith e Matthew McGillivray.

MELHORES DO DIA – Jordy Smith não começou bem, mas na repescagem surfou um tubaço que arrancou a maior nota do dia, 9,73. Ele impediu que o australiano Jack Robinson ficasse como recordista absoluto do Billabong Pro Pipeline, com as notas 9,50 e 9,17 que somou no maior placar do sábado, 18,67 pontos. A melhor apresentação da temporada até agora aconteceu na bateria que estreou o maior ídolo do esporte, Kelly Slater, que tem sete títulos em doze finais disputadas nos tubos mais desejados do mundo.
Jack Robinson reinando nos tubos de Pipeline (Crédito: ©WSL / Tony Heff)
Enquanto Jack Robinson reinava nas esquerdas de Pipeline, Slater surfou dois tubos incríveis nas direitas do Backdoor que valeram 8,57 e 8,00, para se classificar em segundo lugar e mandar o peruano Lucca Mesinas para a repescagem. Kelly chegou a dizer que o sábado foi um dos dias mais perfeitos de ondas que já viu em Pipeline. Ele atingiu os mesmos 16,57 pontos do havaiano Barron Mamiya, que fez as marcas a serem batidas no início do dia.

MELHOR BRASILEIRO – O primeiro a ultrapassar essa pontuação foi o bicampeão mundial John John Florence, que defende o título do Billabong Pro Pipeline, conquistado na final contra Gabriel Medina na abertura do WSL Championship Tour 2021. O havaiano somou notas 8,60 e 8,53 no placar de 17,13 pontos, mas o primeiro tubaço surfado nessa bateria foi o de um estreante do Brasil na elite desse ano, João Chianca, o Chumbinho. 

O irmão mais jovem do campeão mundial de ondas gigantes, Lucas Chumbo, ficou muito profundo no tubo, entocado de grab-rail lá dentro, até ressurgir e sair limpo. Chegou a contar os dedos das mãos sugerindo uma nota máxima, mas a média ficou em 8,43. João Chumbinho pegou outros tubos muito bons e surfou no mesmo nível da fera, John John Florence. As notas das melhores ondas ficaram até parecidas e ele foi o recordista entre os brasileiros, com essa nota 8,43 e os 15,30 pontos que totalizou.
João Chianca foi o destaque da seleção brasileira nos tubos do sábado em Pipeline (Crédito: ©WSL / Tony Heff)
O mais experiente da “seleção brasileira”, Jadson André, não conseguiu acompanhar o ritmo do João e do John John, chegou a bater nos corais numa queda e terminou em último. Depois, o potiguar acabou sendo o único a ser eliminado no primeiro dia. Jadson perdeu para o também brasileiro Deivid Silva, a briga pela última vaga para a terceira fase na bateria vencida pelo costa-ricense Carlos Munoz, que fechou a repescagem e o sábado no Havaí.

TERCEIRA FASE – Os peruanos Lucca Mesinas e Miguel Tudela também ficaram em último lugar nas suas primeiras baterias no Billabong Pro Pipeline, mas aproveitaram a segunda chance de classificação. Tudela vai disputar a quinta bateria da terceira fase com o campeão olímpico Italo Ferreira. Na disputa seguinte, Miguel Pupo enfrenta o australiano Connor O´Leary e Lucca Mesinas entra na oitava, com o norte-americano Kolohe Andino.

Depois, tem Filipe Toledo contra o havaiano Ivan Florence na nona bateria, abrindo a chave de baixo, que vai apontar o segundo finalista do Billabong Pro Pipeline. Na 11.a, tem outra parada duríssima para João Chianca, o recordista Jack Robinson. Na 13.a, Caio Ibelli enfrenta o norte-americano Griffin Colapinto e na 15.a tem o duelo brasileiro entre Deivid Silva e Samuel Pupo.
Lucca Mesinas é o primeiro peruano na elite masculina da WSL (Crédito: ©WSL / Tony Heff)

PRÓXIMAS BATERIAS DO BILLABONG PRO PIPELINE:

TERCEIRA FASE – Vitória=Oitavas de Final / 17.o lugar com 1.330 pontos e US$ 10.000:
1.a: Conner Coffin (EUA) x Barron Mamiya (HAV)
2.a: Kelly Slater (EUA) x Jake Marshall (EUA)
3.a: Kanoa Igarashi (JPN) x Owen Wright (AUS)
4.a: Leonardo Fioravanti (ITA) x Nat Young (EUA)
5.a: Italo Ferreira (BRA) x Miguel Tudela (PER)
6.a: Miguel Pupo (BRA) x Connor O´Leary (AUS)
7.a: Frederico Morais (PRT) x Carlos Munoz (CRI)
8.a: Kolohe Andino (EUA) x Lucca Mesinas (PER)
9.a: Filipe Toledo (BRA) x Ivan Florence (HAV)
10: Seth Moniz (HAV) x Ezekiel Lau (HAV)
11: Jack Robinson (AUS) x João Chianca (BRA)
12: John John Florence (HAV) x Jackson Baker (AUS)
13: Griffin Colapinto (EUA) x Caio Ibelli (BRA)
14: Ethan Ewing (AUS) x Callum Robson (AUS)
15: Deivid Silva (BRA) x Samuel Pupo (BRA)
16: Jordy Smith (AFR) x Matthew McGillivray (AFR)

PRIMEIRA FASE – 1.o e 2.o=Terceira Fase / 3.o=Segunda Fase: 
1.a: 1-Owen Wright (AUS)=13.34, 2-Ezekiel Lau (HAV)=7.00, 3-Jordy Smith (AFR)=6.46 
2.a: 1-Griffin Colapinto (EUA)=10.47, 2-Matthew McGillivray (AFR)=7.67, 3-Jordan Lawler (AUS)=5.60
3.a: 1-Connor O´Leary (AUS)=15.50, 2-Caio Ibelli (BRA)=10.07, 3-Morgan Cibilic (AUS)=5.17
4.a: 1-Barron Mamiya (HAV)=16.57, 2-Conner Coffin (EUA)=9.63, 3-Jake Marshall (EUA)=2.43
5.a: 1-Italo Ferreira (BRA)=7.06, 2-Callum Robson (AUS)=6.17, 3-Miguel Tudela (PER)=4.03
6.a: 1-Filipe Toledo (BRA)=7.00, 2-Samuel Pupo (BRA)=4.57, 3-Ivan Florence (HAV)=0.23
7.a: 1-Seth Moniz (HAV)=16.44, 2-Kanoa Igarashi (JPN)=12.00, 3-Carlos Munoz (CRI)=9.50
8.a: 1-Jackson Baker (AUS)=6.43, 2-Miguel Pupo (BRA)=6.20, 3-Frederico Morais (PRT)=5.33
9.a: 1-John John Florence (HAV)=17,13, 2-João Chianca (BRA)=15.30, 3-Jadson André (BRA)=7,84
10: 1-Jack Robinson (AUS)=18.67, 2-Kelly Slater (EUA)=16.57, 3-Lucca Mesinas (PER)=12.13
11: 1-Ethan Ewing (AUS)=12.76, 2-Kolohe Andino (EUA)=4.37, Imaikalani Devault (HAV)=1.50
12: 1-Nat Young (EUA)=12.00, 2-Leonardo Fioravanti (ITA)=8.60, 3-Deivid Silva (BRA)=7.00

SEGUNDA FASE – 3.o=33.o lugar com 265 pontos e US$ 9.750: 
1.a: 1-Ivan Florence (HAV)=12.60, 2-Lucca Mesinas (PER)=9.50, 3-Morgan Cibilic (AUS)=1.83 
2.a: 1-Jordy Smith (AFR)=15.73, 2-Miguel Tudela (PER)=14.83, 3-Imaikalani Devault (HAV)=11.00
3.a: 1-Jake Marshall (EUA)=11.67, 2-Frederico Morais (PRT)=11.13, 3-Jordan Lawler (AUS)=10.27 
4.a: 1-Carlos Munoz (CRI)=6.10, 2-Deivid Silva (BRA)=5.50, 3-Jadson André (BRA)=4.63

Por marcelo
Compartilhar

Veja também

Filipe Toledo tricampeão em Saquarema e Carissa Moore campeã do Oi Rio Pro apresentado por Corona

Filipe Toledo iguala recorde de 4 vitórias em etapas do…

continue lendo

Possível recomeço dia 27 de junho, confira as baterias do Oi Rio Pro Saquarema

Próxima chamada na segunda-feira às 7h15 na Capital Nacional do…

continue lendo

Ítalo, Filipe, Michael, Yago e Miguel levam a torcida ao delírio. Medina não se encontra. Confira as baterias do Elimination Round!

continue lendo

ETAPA DE MUNDIAL DE SURFE NO BRASIL BATE RECORDE DE PATROCINADORES E ATIVAÇÕES VÃO ENTRETER ATLETAS E PÚBLICO

O Oi Rio Pro apresentado por Corona reunirá 22 marcas,…

continue lendo

Comentários:

Instagram