Notícias

05/04 11h47

Medina comanda o show brasileiro na Gold Coast


Gabriel Medina levantou a praia

O bicampeão mundial Gabriel Medina comandou o show dos brasileiros nas boas ondas de 3-5 pés da sexta-feira em Duranbah Beach, na Gold Coast, Austrália. Medina ganhou a maior nota nas direitas, 9,33, e também nas esquerdas, 9,80, para atingir incríveis 19,13 pontos de 20 possíveis. Italo Ferreira e Yago Dora também voaram para vencer suas baterias, enquanto Filipe Toledo e Willian Cardoso usaram as manobras de borda em suas melhores ondas para passar para as oitavas de final do Quiksilver Pro. E para fechar o dia, Tatiana Weston-Webb também brilhou para avançar para as quartas de final do Boost Mobile Pro Gold Coast.


Medina começa 2019 com tudo

“Eu sempre começo a temporada um pouco devagar e estou tentando melhorar isso a cada ano”, disse Gabriel Medina. “Este ano eu estou chegando super focado porque quero começar bem aqui na Austrália. Estou feliz porque é muito bom competir com boas ondas como hoje (sexta-feira) aqui em Duranbah e foi uma bateria muito divertida com o Mateus (Herdy). Ele é muito talentoso e tenho certeza que estará no CT em breve”.

Na sexta-feira, tiveram dois duelos brasileiros na terceira fase e mais dois foram formados nas oitavas de final. O primeiro entre dois dos melhores surfistas do campeonato, Gabriel Medina e Yago Dora. O outro é entre Italo Ferreira e Willian Cardoso. Medina deu um verdadeiro espetáculo no confronto de campeões mundiais com Mateus Herdy e Willian derrotou o cearense Michael Rodrigues. Filipe Toledo foi o único que ficou sozinho e vai disputar a primeira vaga para as quartas de final com o bicampeão mundial John John Florence.

Filipe ganhou a bateria que abriu a sexta-feira e foi toda liderada pelo novato australiano, Soli Bailey. O brasileiro demorou para surfar sua primeira onda e só reagiu nos minutos finais, depois de achar uma direita que armou a parede com pontos críticos para ele mandar três manobras muito fortes, uma diferente da outra. Os juízes deram nota 8,33, já superando o 8,17 de Gabriel Medina na quarta-feira que era o recorde do campeonato.


Filipe Toledo avança para as oitavas e enfrentará John John

Já a maior pontuação de Yago Dora no primeiro dia, 14,33, foi ultrapassada na segunda bateria por John John Florence, com o havaiano chegando a 14,83 com notas 7,50 e 7,33. O bicampeão mundial de 2016 e 2017 será o adversário de Filipe Toledo na abertura das oitavas de final. Na sexta-feira, foi utilizado o sistema “dual heat”, com duas baterias sendo disputadas simultaneamente. Essa marca foi logo ultrapassada pelo “wildcard” Reef Heazlewood, que atingiu 16,07 pontos no duelo australiano com o vice-campeão mundial e defensor do título do Quiksilver Pro Gold Coast, Julian Wilson.

Depois da vitória de Filipe Toledo, tiveram duas eliminações brasileiras, de Jessé Mendes para o japonês Kanoa Igarashi e do estreante Peterson Crisanto para o californiano Kolohe Andino, que elogiou bastante o paranaense. Aí veio o primeiro duelo brasileiro da terceira fase com os campeões mundiais Gabriel Medina e Mateus Herdy do Pro Junior. Medina foi em várias ondas e deu um show com um surfe fantástico em Duranbah.

SHOW BRASILEIRO – O primeiro espetáculo do fenômeno foi massacrando uma direita com mais de seis pancadas de backside, variando as manobras a cada ataque nos pontos mais críticos da onda. Foi quando saiu a primeira nota acima de 9 do ano no World Surf League Championship Tour, 9,33. Depois, pegou uma direita para fazer uma apresentação ainda mais incrível, mandando três aéreos diferentes de frontside que valeram 9,80. Um dos cinco juízes chegou a dar nota 10 e Medina venceu por impressionantes 19,13 pontos de 20 possíveis.

Na bateria seguinte, o catarinense Yago Dora também buscou as esquerdas para usar sua arma letal, os aéreos de frontside, contra o “power surf” do francês Joan Duru. Os dois surfaram bem e o placar foi apertado, 15,64 a 14,57 pontos. Com a vitória, foi formado o primeiro confronto brasileiro das oitavas de final, com Yago completando a quinta bateria, do recordista absoluto do Quiksilver Pro, Gabriel Medina. O outro será entre o potiguar Italo Ferreira e o catarinense Willian Cardoso, que já disputou um confronto nacional na sexta-feira.


Ítalo destruiu e sobe mais um degrau

Italo também surfou de forma espetacular, completou aéreos incríveis, manobrou forte nas ondas e foi quem chegou mais perto dos recordes de Gabriel Medina. Sua melhor apresentação recebeu 8,43 dos juízes, que o potiguar somou com 8,10 para totalizar 16,53 pontos. Ainda jogou fora uma nota 8,00, uma 7,83 e um 7,33, na vitória sobre o neozelandês Ricardo Christie. A segunda metade da bateria de Italo Ferreira foi disputada simultaneamente com o segundo confronto brasileiro da terceira fase na sexta-feira em Duranbah Beach.

O catarinense Willian Cardoso usou o seu “power surf”, manobrando forte de frontside nas direitas para superar o surfe mais versátil do cearense Michael Rodrigues. Willian largou na frente com nota 6,50, na segunda onda ganhou 6,00 e a seguinte foi a melhor, valeu 6,97. Ele deixou seu oponente nas cordas e Michael não conseguiu reagir, sendo nocauteado por 13,47 a 12,13 pontos. Ainda teve o estreante Deivid Silva fechando a terceira fase e ele quase consegue a última vaga nas oitavas de final, mas o taitiano Michel Bourez levou a melhor por uma pequena vantagem de 10,96 a 9,70 pontos.

METADE AVANÇA – Dos dez brasileiros que disputaram a terceira fase na sexta-feira, metade deles segue na disputa do título do Quiksilver Pro Gold Coast, que vale a liderança no primeiro ranking do World Surf League Championship Tour 2019. Filipe Toledo vai disputar a primeira classificatória para as quartas de final e o Brasil já tem duas classificações garantidas nos duelos verde-amarelos das oitavas, com Gabriel Medina defendendo a lycra amarela do Jeep Leaderboard contra Yago Dora e Italo Ferreira enfrentando Willian Cardoso.

Os cinco eliminados na terceira fase, Michael Rodrigues, Jessé Mendes, os estreantes na “seleção brasileira” do CT, Deivid Silva e Peterson Crisanto e o convidado da World Surf League para esta primeira etapa, Mateus Herdy, começam a temporada 2019 em 17.o lugar com 1.330 pontos. Outros dois ficaram na 33.a e última posição com apenas 265 pontos, por terem perdido na repescagem sem vencer nenhuma bateria em Duranbah Beach, Jadson André e Caio Ibelli, que está substituindo o campeão mundial Adriano de Souza na Austrália.

OITAVAS DE FINAL DO QUIKSILVER PRO – 9.o lugar com 3.320 pontos:

1.a: Filipe Toledo (BRA) x John John Florence (HAV)

2.a: Conner Coffin (EUA) x Kanoa Igarashi (JPN)

3.a: Seth Moniz (HAV) x Reef Heazlewood (AUS)

4.a: Owen Wright (AUS) x Kolohe Andino (EUA)

5.a: Gabriel Medina (BRA) x Yago Dora (BRA)

6.a: Jordy Smith (AFR) x Mikey Wright (AUS)

7.a: Italo Ferreira (BRA) x Willian Cardoso (BRA)

8.a: Michel Bourez (TAH) x Wade Carmichael (AUS)

Por Administrador
Compartilhar

Veja também

As finais do Mundial de Surf batem recorde de audiência na história da World Surf League

continue lendo

Mais um dia épico em Regência, 15/09/2021

continue lendo

Medina pensa em pausar as competições em 2022, entenda

continue lendo

Meninas surfam em Regência clássica!

continue lendo

Comentários:

Instagram