Notícias

18/12 20h57

BRASIL O PAÍS DO SURF!

Que o ano de 2018 fincou o Brasil como a potência do surf mundial, isso é indiscutível.
Todos os ícones da história do esporte reconheceram o feito e contra as provas não há argumentos, basta vermos os números …

ETAPAS DO WT

09 das 11 etapas válidas na elite do surf mundial foram vencidas por brasileiros. Uma marca nunca antes alcançada.

Gold Coast – Julian Wilson (Austrália)
Bells Beach – Italo Ferreira (Brasil)
Saquarema – Filipe Toledo (Brasil)
Bali – Italo Ferreira (Brasil)
Uluwatu (completando Margaret River) – William Cardoso (Brasil)
Jeffreys Bay – Filipe Toledo (Brasil)
Teahupoo – Gabriel Medina (Brasil)
Califórnia – Gabriel Medina (Brasil)
Landes – Julian Wilson (Austrália)
Peniche – Italo Ferreira (Brasil)
Pipeline – Gabriel Medina (Brasil)


Ítalo Ferreira                                                       Filipe Toledo

TÍTULO MUNDIAL

Falando agora sobre títulos, Gabriel Medina foi campeão em 2014, quando o Brasil foi pela primeira vez dono do mundo. Em 2015, o ítulo foi de Adriano de Souza, o Mineirinho, fazendo o Brasil bicampeão. Em 2016 e 2017, John John Florence, do Havaí, foi o campeão, mas sempre com um brasileiro na cola. Em 2016 e 2017 Gabriel Medina foi terceiro colocado e vice-campeão no ano passado.
Dos top 05 do mundo em 2018, 3 são brasileiros, Medina, óbvio em primeiro, Filipe Toledo em terceiro e Ítalo Ferreira em quarto.

TRIPLE CROWN

Para completar a festa brasileira, Jesse Mendes garantiu o título da Tríplice Coroa Havaiana, disputa que envolve três etapas (duas do QS e uma do CT). Ele foi quinto colocado no Hawaiian Pro e depois conseguiu um segundo lugar no Sunset Pro. Em Pipeline, caiu nas quartas de final, mas no geral foi o surfista que mais pontuou.

 

Brilho no QS e título Mundial Júnior

A boa fase não acontece apenas no CT – a divisão de elite do surfe mundial. O Brasil também vai muito bem no QS, divisão de acesso, e foi campeão júnior de surfe com Mateus Herdy, em Taiwan. O país tem quatro surfistas entre os 13 primeiros do ranking de acesso à elite: Peterson Crisanto, Jesse Mendes, Deivid Silva e Jadson André.

E agora, o que esperar pra 2019 ?
Será que os gringos estão se tremendo ? Mas protejam-se aí gringalhada, porque em breve uma nova tempestade estará chegando, vai ficar ainda mais storm pros adversários no ano que vem, com a tropa de elite dos brazilian storm 2019.

Por Administrador
Compartilhar

Veja também

Baterias armadas para iniciar a temporada 2022 no Billabong Pro Pipeline

continue lendo

Ministro veta entrada de Slater na Austrália sem vacina: “Sabe as regras”

continue lendo

51 ICE é nova patrocinadora da WSL no Brasil

Com posicionamentos relacionados ao surfe, 51 ICE estará no Oi…

continue lendo

WSL terá recorde de marcas em 2022

Escritório da América Latina confirmou participação de 11 empresas na…

continue lendo

Comentários:

Instagram