Notícias

19/12 14h36

Conheça o time brasileiro confirmado para o WT 2018


Ian Gouveia

Vamos abrir a matéria anunciando que o atleta Ian Gouveia receberá oficialmente o convite para se manter na elite do surf mundial por mais 1 ano, em 2018. 🙂

Foi por pouco que ele não foi rebaixado, mesmo com uma grande atuação em Pipeline.
Infelizmente ele contava com o tropeço de outros colegas, que não aconteceu. Essa foi na trave.

Apesar de ter terminado em 23º no CT, ele será confirmado como um dos dois convidados para 2018. Uma das duas vagas de “injured wildcard” será destinada a Kelly Slater, que ficou cinco meses afastado em recuperação de uma lesão no pé direito, sofrida em julho deste ano, em Jeffreys Bay, na África do Sul. Como não houve outro inscrito como lesionado, o segundo convite será dado ao 23º do ranking, no caso, Ian.

Vamos torcer para que esse talentoso surfista quebre tudo no seu segundo ano de WT, até porque o garoto surfa demais!
2018 ele estará mais maduro de competição na elite e sem dúvida alguma vai dar muita dor de cabeça.


Ian Gouveia voando alto

Top 22 do ranking mundial (CT)

1 – John John Florence (HAV)
2 – Gabriel Medina (BRA)
3 – Julian Wilson (AUS)
4 – Jordy Smith (AFS)
5 – Matt Wilkinson (AUS)
6 – Owen Wright (AUS)
7 – Kolohe Andino (EUA)
8 – Adriano de Souza (BRA)
9 – Joel Parkinson (AUS)
10 – Filipe Toledo (BRA)
11 – Sebastian Zietz (HAV)
12 – Mick Fanning (AUS)
13 – Connor O’Leary (AUS)
14 – Frederico Morais (POR)
15 – Jeremy Flores (FRA)
16 – Adrian Buchan (AUS)
17 – Kanoa Igarashi (EUA)
18 – Caio Ibelli (BRA)
19 – Michel Bourez (TAH)
20 – Conner Coffin (EUA)
21 – Joan Duru (FRA)
22 – Italo Ferreira (BRA)
23 – Ian Gouveia (BRA)*

*Será confirmado com vaga de wildcard

_____________________________________________

ÍTALO FERREIRA

Quem se garantiu aos 45 do segundo tempo foi o Potiguar, Ítalo Ferreira, que surfou demais em Pipeline.
Muito se falava que ele reclassificaria como Wildcard, uma vez que o atleta ficou contundido por alguns meses em 2017, mas Ítalo deu a volta por cima e não precisou de WQS e nem convite para se estabelecer na elite. Mostrando que em 2018 ele vem com tudo para dar muito trabalho aos adversários.


Ítalo entocado em Backdoor

NA DIVISÃO DE ACESSO, O WQS, CONHEÇAM OS BRASILEIROS QUE COMPORÃO O BRAZILIAN STORM 2018

G-10 da divisão de acesso (QS)

1 – Griffin Colapinto (EUA)
2 – Jessé Mendes (BRA)
3 – Kanoa Igarashi (EUA)
4 – Wade Carmichael (AUS)
5 – Tomas Hermes (BRA)
6 – Yago Dora (BRA)
7 – Italo Ferreira (BRA)
8 – Willian Cardoso (BRA)

9 – Keanu Asing (HAV)
10 – Ezekiel Lau (HAV)
11 – Michael Rodrigues (BRA)

 

JESSÉ MENDES

Jessé ficou em primeiro lugar no WQS até a etapa do Hawaii, quando não teve muita sorte nas duas etapas de Haleiwa e Sunset.  Mas o seu primeiro semestre foi impecável, garantindo a tão sonhada vaga no WT, antes mesmo de chegar no meio do ano. Foi uma das mais rápidas classificações para a elite na história.

O atleta já vem batendo na trave há pelo menos 2 anos. Mas com muito esforço, dedicação e insistência o paulista conseguiu seu lugar ao Sol e tem muito surf pra se manter na elite por um longo tempo.
Esta será uma grande aposta para ficar pelo menos entre os tops 10 no primeiro ano e até brigar pelo título mundial, devido a consistência do seu surf.

Jessé tem 24 anos e vem do Guarujá em SP.

 

TOMAS HERMES

O catarinense, nascido em Floripa, já briga pela classificação há muito tempo, entre suas melhores colocações até hoje foram 18º no QS em 2016 e 17º em 2014.
Mas só agora, com o relógio batendo na casa dos 30 anos, que o atleta se utilizou de toda experiência e deu todo gás pra conseguir a tão sonhada claissificação.
Seu grande empurrão veio na grande Final no US Open of Surfing em Huntington Beach, Califórnia. Tomas continuou empolgado conferindo o 9º lugar em Cascais, Portugal. Mas foi o seu 5º lugar no Hawaiian Pro que o colocou direto na elite do surf para 2018.

YAGO DORA

Yago Dora já vinha preparando o mundo desde o início do ano, com suas finais eletrizantes como foi no Oi Rio Pro. Ele bateu três ex-Campeões do Mundo ao longo do caminho, Mick Fanning, Gabriel Medina e John John Florence. Dora acumulou seus pontos com uma vitória de QS 6,000 em Australia, e outra vitória de 6.000 no Azores Airlines Pro, que praticamente assegurou sua vaga para o WT 2018.

Yago é curitibano e tem 20 anos de idade.
WILLIAN CARDOSO

De todos os Novos Rookies de 2017, a WSL considera que nenhum trabalhou tão duro quanto o Willian Cardoso do Brasil. Com 31 anos de idade, nascido em Florianópolis, o Panda (como é apelidado) já está nessa jornada há mais de 10 anos e nunca conseguia ingressar na elite do mundial.
Este ano Willian fez o que parecia impossível, ainda mais sem um grande patrocinador de bico para ajudar com as altas despesas de um circuito mundial.
Quando ele terminou o 2º no Ballito Pro na África do Sul, a chama da esperança se acendeu, logo no primeiro evento QS10,000 da temporada. Depois ele arrancou um 5º em Portugal, o que significava que ele precisava apenas avançar algumas baterias em Haleiwa para alcançar seu sonho … e ele o fez.

 

MICHAEL RODRIGUES

A vitória de Italo sobre o americano Kolohe Andino no round 3 do Pipeline Masters garantiria a vaga de Michael Rodrigues, 11º colocado no ranking de acesso, que distribui 10 vagas para a elite. Mas, antes disso, o americano Kanoa Igarashi já havia confirmado a entrada do cearense no Tour em 2018 com a última posição no G-10. Em português, Kanoa mandou um recado para o brasileiro, e lhe desejou boa sorte para a próxima temporada. Kanoa havia se classificado com o terceiro lugar no QS, mas acabou ficando no top -22 do CT e, assim, abriu a vaga na segunda divisão.

– Obrigado Deus!! Ainda não consigo acreditar! Acho que a ficha só vai cair depois de vestir a lycra na Gold Coast hahaha muito obrigado a todos que participaram disso, em especial a minha mãe e meu irmão que sempre me apoiaram e claro ao meu irmão Kanoa Igarashi hahaha vou te pagar um açaí brasileiro brou ???? Tamo junto, lek!! CT 2018 – comemorou Michael nas redes sociais.

Nascido em Brasília, mas criado desde os 7 anos no Ceará, onde aprendeu a surfar, Michael foi o último integrante brasileiro a confirmar sua classificação e estréia no WT 2018.

BAIXAS DO BRASIL NA ELITE DO SURF MUNDIAL

Mas na vida, nem tudo são flores.

Tivemos 3 grandes baixas esse ano com grandes expoentes do surf mundial e que já nos deram muitas alegrias com suas camisas de lycra atuando no WT. São eles: Jadson André (foto acima), Wigolly Dantas e Miguel Pupo.

Todos são excelentes surfistas, mas precisarão sentar e analisar suas atuações.

Na nossa opinião esses atletas precisam se reinventar em alguns aspetos, para começar o ano de 2018 com muito gás e determinação durante o WQS 2018, quem sabe em 2019 teremos o prazer de vê-los quebrar novamente no WT.

Vamos torcer!

GARANTIDOS NA ELITE PELO WT

Além da nova geração citada acima, temos garantidos os atletas Gabriel Medina (2º), Adriano de Souza (8º), os também paulistas Filipe Toledo (10º) e Caio Ibelli (18º) e o potiguar Italo Ferreira (22º).

Por Administrador
Compartilhar

Veja também

As finais do Mundial de Surf batem recorde de audiência na história da World Surf League

continue lendo

Mais um dia épico em Regência, 15/09/2021

continue lendo

Medina pensa em pausar as competições em 2022, entenda

continue lendo

Meninas surfam em Regência clássica!

continue lendo

Comentários:

Instagram