Notícias

21/11 00h29

Filipe Toledo abre Tríplice Coroa Havaiana com título em Haleiwa

Filipe Toledo começou com tudo no Havaí. Semanas antes da etapa de Pipeline, a última do Circuito Mundial, o brasileiro saiu na frente em busca da taça da Tríplice Coroa havaiana, uma honraria das ondas. Nesta segunda-feira, Filipinho venceu o QS 10000 de Haleiwa, etapa da divisão de acesso que abre a célebre disputa entre os melhores surfistas pelo icônico troféu. Na final, o paulista levou a melhor sobre o americano Griffin Colapinto, o polinésio Michel Bourez e o também brasileiro Wiggolly Dantas.

Filipinho só esteve atrás do placar no início da bateria decisiva. Na terceira e na quinta onda, somou 7,67 e 8,87, 16,54 ao todo, e aí passou a liderar para não perder mais a ponta. Quem o ameaçou foi o americano Griffin Colapinto, de apenas 19 anos. Ele pegou duas ótimas ondas no início e teve 8,17 + 7,77, somando 15,94 no total. Wiggolly Dantas terminou em terceiro com 13,03 (7,03 + 6,00). Em último, Michel Bourez teve 8,77 (4,67 + 4,10).

O caminho nas semifinais

Na primeira semifinal, Wiggolly Dantas conseguiu encaixar as melhores ondas e venceu com 13,96 (7,73 + 6,23). O americano Griffin Colapinto, avançou com o segundo lugar, com 13,40. Adriano de Souza, o Mineirinho, ficou pelo caminho com o quarto lugar na bateria, com 10,67, ainda atrás de Kolohe Andino, com 12,67. Miguel Pupo, que briga por pontos no qualifying series para permanecer na elite em 2018, caiu ainda nas quartas de final.

Na bateria seguinte, Filipe Toledo levou a melhor com 15,40 (8,87 + 6,53) surfando muito bem desde o início e sem dar chance para os rivais. Michel Bourez confirmou a vaga com 14,20 (6,77 + 7,43). O brasileiro Tomas Hermes acabou ficando na semifinal ao lado de Jordy Smith, da África do Sul.

Sequência da Tríplice Coroa

A próxima etapa da Tríplice Coroa será em Sunset, entre os dias 25 de novembro e 6 de dezembro, que também vale a maior pontuação para o QS, ou seja 10000. A etapa final da TC acontece em Pipeline, de 8 a 20 de dezembro, essa válida pelo Circuito Mundial, com a elite do surfe. Quem somar mais pontos nas três etapas leva para casa o título da Tríplice Coroa havaiana. O brasileiro Gabriel Medina, que não participou em Haleiwa, já levou a taça em 2015.

Fonte: O GLOBO.com

Por Administrador
Compartilhar

Veja também

As finais do Mundial de Surf batem recorde de audiência na história da World Surf League

continue lendo

Mais um dia épico em Regência, 15/09/2021

continue lendo

Medina pensa em pausar as competições em 2022, entenda

continue lendo

Meninas surfam em Regência clássica!

continue lendo

Comentários:

Instagram